Toque humano em um mundo pandêmico. Impacto e prevenções.

Toque humano em um mundo pandêmico. Impacto e prevenções.

Sub: A pandemia da covid-19 alterou radicalmente nossas vidas de diversas maneiras, afetando tudo, desde a forma como trabalhamos, frequentamos a escola, nossa vida social e até mesmo efetuamos compras básicas. De todas essas mudanças, talvez nenhuma área de nossas vidas tenha sido mais afetada do que a forma como nos relacionamos com os outros.

"Três em cada quatro entrevistados disseram que o isolamento os fez perceber como o toque físico é importante para a saúde."

Toque durante a pandemia: restrito, mas mais importante do que nunca

O novo estudo mostra que o toque continua sendo muito importante para as pessoas ao redor do mundo – apesar de ou talvez até mesmo por causa do vírus. O estudo do ano passado revelou que 87% das pessoas acreditam que o toque humano é a chave para uma vida feliz e plena. 

O estudo deste ano mostra que o número aumentou ligeiramente, para 88%. Além disso, 3 em cada 4 entrevistados disseram que o isolamento os fez perceberem como o toque físico é importante para a saúde. 

Como os dados ilustram, estamos cada vez mais conscientes da importância do toque em nossas vidas, uma vez que não podemos mais nos envolver no toque tão livremente como fazíamos antes, quando cada interação não exigia cálculos mentais complexos em torno do nível de risco. 

Em suma, nosso isolamento forçado ressaltou a importância do toque humano para nossa saúde e bem-estar.

"Mais de dois terços dos entrevistados disseram que havia mais barreiras para tocar hoje em comparação com um ano atrás."

A covid-19 destaca a importância do toque humano

Antes da pandemia, as barreiras comuns ao toque humano incluíam coisas como falta de tempo ou insegurança sobre as normas sociais e que tipo de toque é apropriado e quando pode ser realizado. Os novos resultados mostram que essas barreiras tradicionais são menos preocupantes nos dias de hoje. Em geral, as pessoas passam mais tempo em casa e suas vidas são menos ocupadas. Também há menos confusão em torno das normas sociais, visto que a maioria das pessoas entende que o toque corresponde ao risco de contágio. No entanto, em geral, há mais barreiras para o toque do que nunca. Mais de dois terços dos entrevistados disseram que havia mais barreiras para tocar hoje em comparação com há um ano.

Como sociedade, mostramos os dados, aceitamos essas barreiras por enquanto e não buscamos outras formas de toque. Quatro em cada cinco entrevistados globalmente indicaram que evitam rituais de toque, como apertos de mão, beijos ou abraços curtos.

Isso é especialmente verdadeiro em países duramente atingidos como Brasil, África do Sul, Itália e França, sugerindo que as pessoas que vivem em países que foram fortemente afetados pela pandemia estão sendo especialmente cautelosas em sua abordagem ao toque humano.

A covid-19 restringiu o toque físico para muitos.

Família e amigos próximos - Conhecidos e colegas
Aumentou - Diminuiu - Inalterado

Respostas com base na quantidade de contato que as pessoas experimentaram pessoalmente no ano passado. Fonte: Mindline Research 2020.
 

O NÍVEL MUNDIAL DE TOQUE HUMANO DURANTE A PANDÊMICA

Na verdade, muitas pessoas que foram entrevistadas disseram que seu nível de toque humano durante a pandemia diminuiu tanto para o círculo interno (família, parceiros ou amigos próximos) quanto para o externo (colegas, conhecidos, vizinhos). Mais de um terço disse que o toque do círculo interno diminuiu, enquanto 40% disseram que o toque do círculo externo diminuiu. 

A diminuição no toque do círculo externo é esperada à medida que mais pessoas isolam e limitam seu contato físico com aqueles em sua casa. Diminuir o contato entre o círculo interno pode parecer, à primeira vista, contraintuitivo, mas faz sentido quando você considera o número de pessoas que moram com idosos, imunocomprometidos ou outras pessoas que estariam em alto risco caso adoecessem, e o fato de que a maioria das pessoas não mora na mesma casa com seus amigos íntimos. 

Além disso, lugares como Itália, África do Sul e Coreia do Sul, onde as medidas de bloqueio foram estritamente aplicadas, viram reduções significativas na quantidade do toque nos círculos sociais internos, mas especialmente nos externos.

Na Itália, mais da metade dos entrevistados disseram que seu nível de toque físico no círculo externo diminuiu desde o ano passado. Na Coreia do Sul, 49% dos entrevistados indicaram uma diminuição, e na África do Sul, 46%. A Coreia do Sul, em particular, é digna de nota, porque eles se envolveram em menos contato do que outros países para começar tornando sua redução no contato ainda mais dramática.

Surpreendentemente, no entanto, cerca de metade dos entrevistados disseram que seu nível de toque humano durante a pandemia não mudou significativamente. 46% dos entrevistados globalmente disseram que a quantidade de toque no círculo interno que experimentaram não mudou no ano passado, enquanto 51% disseram que o toque no círculo externo não mudou. Para entender o porquê, temos que olhar mais de perto os dados, que revelam diferenças geográficas dignas de nota no comportamento de toque. 

Na Alemanha, Austrália, Reino Unido e EUA, o comportamento do toque mudou menos do que em outros países. Apesar da gravidade dos surtos, um número menor relatou mudanças na quantidade de toque que compartilhavam com seu círculo externo, em comparação a outros países. 

Na Alemanha, quase dois terços das pessoas disseram que seu nível de toque no círculo externo não mudou no ano passado. Na Austrália, Reino Unido e nos EUA, mais da metade dos entrevistados disse o mesmo.  

Uma explicação é que esses países não são culturas “amigáveis ao toque”, para começar. Sabemos, por meio de nossa pesquisa global anterior, que Alemanha, Reino Unido, Austrália e Estados Unidos são os países menos sensíveis ao toque, portanto, menos mudanças de comportamento seriam necessárias. 

Também é possível que, nesses países, o ceticismo sobre a gravidade da pandemia e a necessidade de regulamentos de bloqueio tenha se traduzido em menos mudanças observáveis no comportamento de toque.

Finalmente, para alguns grupos, o nível de contato humano realmente aumentou durante a pandemia. Pessoas que vivem em famílias com pelo menos um filho e jovens de 16 a 19 anos têm quase o dobro de probabilidade de relatar aumentos no círculo interno, o toque em comparação com outros grupos o que não é surpreendente, visto que muitas famílias estão passando mais tempo juntas em casa. 

No entanto, jovens e pais solteiros também têm quase o dobro de probabilidade de dizer que o toque do círculo externo também aumentou. Parece que, com esses grupos, a necessidade de conexão humana e toque é consideravelmente maior do que o medo de pegar o vírus ou passá-lo para outras pessoas, que podem estar em maior risco.

"O isolamento me faz perceber o quão importante é o toque para a nossa saúde.”

"O isolamento me faz desejar o toque mais do que antes."

“O isolamento me faz sentir mais solitário do que já senti antes na minha vida inteira.”

"Sinto falta de toque e tenho que compensar depois da crise.”

"o isolamento me faz pensar sobre quem e com qual frequência eu toco as pessoas."

"O isolamento forçado fez com que quase uma em cada cinco pessoas ao redor do mundo relatasse que costumava se sentir sozinha."

Pessoas solitárias relatam um déficit de abraços

Taxas de aprovação entre aqueles que se sentem solitários: “Muitas vezes, gostaria de receber mais abraços dos outros”.
Fonte Mindline Research 2020

Solitário e privado de toque: Solteiros e pais solteiros
“O toque físico não é uma ocorrência diária na minha vida.”
Média global - Solteiros - Pais solteiros - 2+ pessoas em casa

Privado de toque e solitário: Solteiros, pais solteiros e pessoas com mais de 50 anos.

Embora possamos observar diferenças no contato entre os países com base em sua abordagem à pandemia, os dados da NIVEA mostram que as circunstâncias individuais também desempenham um papel significativo no bem-estar das pessoas durante a crise, independentemente de onde vivam. 

A idade de uma pessoa, morando sozinha ou com outras pessoas, quer seja um dos pais, são fatores de sua saúde física e mental e de sua capacidade de se conectar com outras pessoas por meio do toque. Como os dados ilustram, alguns grupos são mais afetados do que outros.

 

PESSOAS SOLITÁRIAS

O primeiro grupo de pessoas que foi impactado negativamente pela pandemia e pelo isolamento é aquele que se descreve como solitário. De acordo com a pesquisa, essa é uma parte significativa da população global. O isolamento forçado fez com que quase uma em cada cinco pessoas ao redor do mundo relatasse que costumava se sentir sozinha.  49% relatam que se sentem mais solitários do que nunca em suas vidas. 

Os dados também revelam uma forte conexão entre solidão e toque: 81% dos entrevistados que indicaram que muitas vezes se sentem solitários gostariam de receber mais abraços de outras pessoas, comparado a 45%, que disseram que não se sentem solitários. A associação entre toque e solidão parece aumentar com a idade e também é maior para famílias solteiras. Claramente, a falta de toque humano pode ser vista como um sintoma de solidão, enquanto o contato físico pode ajudar a reduzi-la.

MORAR EM PAÍSES COM MENOS TOQUE FÍSICO

Essa conexão entre solidão e toque é particularmente visível em países onde menos toque físico tende a ser a norma social. Na Alemanha, quase nove em cada dez pessoas que costumam se sentir solitárias disseram que gostariam de receber mais abraços de outras pessoas, em comparação com apenas 43%, que não se sentem sozinhas. 

Uma diferença alarmante de 44 pontos percentuais, mostra em que medida a solidão coloca as pessoas em desvantagem. Na Austrália, Reino Unido, Estados Unidos e na Coreia do Sul, a diferença foi um pouco menor, embora ainda notavelmente alta (cerca de 40 pontos percentuais).

Em contraste, a conexão é mais fraca em países com níveis geralmente mais elevados de toque na vida cotidiana, como o Brasil (diferença de 21 pontos percentuais), Itália (diferença de 28 pontos percentuais) e França (diferença de 33 pontos percentuais). Esses números são um lembrete para todos nós de incluirmos e alcançarmos pessoas que possam se sentir solitárias, especialmente em países onde o toque não é uma parte frequente da vida cotidiana. 

O toque que as pessoas recebem, até mesmo se for apenas um aperto de mão diário com o carteiro, ou em tempos de pandemia, um largo sorriso à distância, desempenha um papel ainda mais importante no combate à solidão.

SOLTEIROS E PAIS SOLTEIROS

Outro grupo que foi duramente atingido pelos efeitos do lockdown e do isolamento é o daqueles que vivem em residências menores, ou seja, solteiros e pais solteiros. Três em cada quatro pessoas que moram sozinhas disseram que o toque físico não é uma ocorrência diária em suas vidas. 28% dos pais solteiros disseram que, muitas vezes, se sentem solitários. 

Eles também eram mais propensos a dizer que gostariam de receber mais abraços de outras pessoas - 69%, em comparação com a média global de 61%. Sem outro adulto na casa para compartilhar as responsabilidades de cuidar das crianças e da educação remota, ou simplesmente para lamentar durante este período estressante, os adultos que vivem em famílias menores estão passando por momentos difíceis.

Pessoas entre 50 e 69 anos

Pessoas com idades entre 50 e 69 anos também foram particularmente afetadas, pois quase não têm contato com seus círculos externos atualmente. De acordo com os diários de toque da pesquisa, um terço das pessoas com idade entre 50 e 69 anos não experimentou nenhum contato físico durante a semana inteira antes da entrevista. 

Quase três em cada quatro disseram que havia mais barreiras para tocar hoje do que há um ano, acima da média global. 

Curiosamente, no entanto, apenas 57% desse grupo disse que gostaria de receber mais abraços, abaixo da média global de 61% – sugerindo que muitos idosos ajustaram suas expectativas de toque para se alinharem com suas experiências.

Adolescentes

Em contraste com os grupos mencionados acima, há um grupo que parece ser relativamente resiliente à privação de toque forçado: os adolescentes. Para quase um terço dos entrevistados de 16 a 19 anos, o nível de contato com o círculo íntimo aumentou desde o início da pandemia, provavelmente como resultado de passar mais tempo com a família, desfrutar o vínculo com os pais e irmãos e superar a crise com todos os seus desafios juntos. 

Eles estão mais propensos do que outros grupos a dizer que seus relacionamentos com aqueles que eles tocam se aprofundaram (72% contra a média global de 62%). 

Eles também são mais propensos do que outros grupos a dizer que passam mais tempo nas redes sociais agora do que antes (82%, em comparação com a média global de 61%). Para esse grupo, parece que essas soluções alternativas – mais tempo com a família e o círculo interno e maior uso da mídia social – compensam de alguma forma a interrupção de sua rotina normal e a falta de contato externo.

"Uma em cada três pessoas disse que o nível atual de toque humano na vida diária é muito baixo."

Compensando o tempo perdido em nosso futuro pós-pandemia

Embora a pandemia não tenha acabado, as pessoas em todo o mundo estão ansiosas por um futuro que permitirá mais oportunidades para o toque humano. Depois de muitos meses de confinamento e isolamento social forçado, os dados da NIVEA mostram que a pandemia destacou a importância do toque em nossas vidas e pode ser um remédio possível contra a solidão, embora a maneira como nos conectamos com outras pessoas por meio do toque provavelmente mudará no futuro próximo.

De acordo com os dados, o toque humano no mundo pós-pandêmico se concentra na qualidade em vez da quantidade, em outras palavras, no círculo interno. Mais de um terço dos entrevistados globalmente espera que o toque do círculo interno aumente após a crise, enquanto o toque do círculo externo deve diminuir a longo prazo, à medida que nossas mudanças atuais de comportamento se tornam hábitos permanentes. Entre eles, estão quase metade dos entrevistados no Brasil, África do Sul, Reino Unido, EUA e Itália. Talvez seja uma forma de recuperar o tempo perdido. No entanto, embora se espere que o toque do círculo externo diminua em geral em comparação com os tempos pré-pandêmicos, um quarto dos jovens de 16 a 19 anos no mundo todo espera mais toque no círculo externo no longo prazo. Sem dúvida, eles têm muito a aprender e estão claramente ansiosos para se envolver em mais contato, assim que pudermos derrubar as barreiras impostas pela covid-19.

Em todos os grupos, a pandemia nos deixou com fome de contato pele a pele, da mesma forma que sentimos fome de comida. Em todos os países pesquisados, uma em cada três pessoas disse que o nível atual de toque humano na vida diária é muito baixo, e três em cada cinco pessoas pesquisadas querem compensar a atual falta de toque humano após a crise. Além disso, os dados revelam um forte anseio por um toque mais humano após a crise entre os países altamente sociais que foram duramente atingidos pela pandemia, principalmente o Brasil e Itália. 

Mais de três em cada quatro brasileiros e quase três em cada quatro italianos disseram que o isolamento os fez ansiar pelo contato físico mais do que nunca. E quem pode culpá-los? É provável que nenhum de nós esqueça as imagens de ruas vazias e estabelecimentos desertos quando a Itália entrou em lockdown.

"No futuro, quando pudermos compartilhar um abraço, um aperto de mão ou um carinho sem medo, não tomaremos esses momentos de conexão como garantidos."

Anseio por mais toques após a pandemia

Uma coisa é certa: pode levar algum tempo para retornarmos aos nossos níveis pré-pandêmicos de toque, mas a pandemia já deixou uma impressão duradoura em nossos corações e mentes – e também em nossa pele. Agora sabemos como é não poder tocar aqueles que amamos e todo o isolamento e a solidão que vêm com essa privação. Se há uma fresta de esperança para esta crise, é que a pandemia nos deu uma nova apreciação do poder do toque para nossa saúde emocional, física e mental. 

No futuro, quando pudermos compartilhar um abraço, um aperto de mão ou um carinho sem medo, não tomaremos esses momentos de conexão como garantidos. Passaremos mais tempo com os entes queridos, afirmaremos nossos laços uns com os outros e nos conectaremos por meio do toque novamente.

Sobre o estudo

A pesquisa da NIVEA foi conduzida pela Mindline, um instituto de pesquisa independente, como uma pesquisa online com 11.706 pessoas nos seguintes nove países (aproximadamente mil entrevistados por país):  Austrália, Brasil, França, Alemanha, Itália, África do Sul, Coreia do Sul, Reino Unido e Estados Unidos. Os entrevistados da pesquisa tinham entre 16 e 69 anos de idade e eram uma amostra representativa com base em gênero, idade, região e situação ocupacional. 

Os dados foram coletados entre abril e agosto de 2020; o trabalho de campo europeu continuará até outubro.